Nefrologia Veterinária

A nefrologia/urologia é uma especialidade voltada ao diagnóstico e tratamento clínico e/ou cirúrgico do sistema urinário, que inclui o rim e suas estruturas anexas (ureteres, bexiga, uretra e próstata – devido à uretra prostática).

As alterações neste sistema podem ser primárias ou secundárias a desequilíbrios causados por outras doenças (sendo divididas em pré-renal, renal e pós-renal).

Seguem alguns exemplos de quadros que podem gerar consequências ao sistema urinário:

  • Doenças hormonais (ex: diabetes, hiperadrenocorticismo, hipoadrenocorticismo e hipertireoidismo);
  • Doenças cardíacas (ex: hipertensão arterial, insuficiência cardíaca);
  • Doenças infecciosas e autoimunes (ex: piometra, endocardite bacteriana, prostatite, lúpus sistêmico, erliquiose, leishmaniose, processos inflamatórios, poliartrite, brucelose, dirofilariose, imunodeficiência felina, leucemia felina, peritonite infecciosa felina);
  • Neoplasias (formações benignas ou malignas);
  • Doenças congênitas e/ou familiais (ex: defeitos autossômicos, doença glomerular familial, cistos renais, ectopias etc);
  • Intoxicação medicamentosa (ex: uso de anti-inflamatórios, de inibidores da ECA, quimioterápicos e antibióticos);
  • Amiloidose.

Também é recorrente a aparição de cálculos em bexiga urinária, que levam a hematúria (urina com sangue) intermitente ou contínua e alterações na frequência e volume de urina do paciente. Estes urólitos também podem se depositar em rins e até obstruir os ureteres ou a uretra dos pacientes, levando a um quadro emergencial.

Especificamente em felinos, podemos relatar a doença do Trato Urinário Inferior (DTUI) ou Síndrome Urológica Felina (SUF), que compreende qualquer alteração na bexiga urinária e uretra de gatos, incluindo: urólitos (estruvita e oxalato de cálcio), tampões uretrais, defeitos anatômicos vesicais, infecções urinárias bacterianas e virais, além de alterações neoplásicas. Caracteriza-se por sinais clínicos recorrentes, pouco específicos e etiologia obscura. Em grande parte dos felinos acometidos, há estudos que indicam o provável envolvimento de fatores neurogênicos e estressantes na inflamação vesical, gerando comumente a recidiva dos processos de obstrução e/ou formação de cálculos e infecção.

Além de todas essas, a doença renal crônica que acomete animais idosos é rotina na clínica médica de animais de companhia. Ocorre quando há perda de massa funcional dos rins, e é de extrema importância o diagnóstico precoce em cães e gatos, para o tratamento suporte adequado e que evite-se evolução do quadro clínico, e assim prolongue-se a expectativa e qualidade de vida do paciente. Além dos metabólitos renais, é necessário que se acompanhe a evolução renal e seu impacto em hemograma (pode gerar anemia), exames de urina (apresentam predisposição a infecções recorrentes), eletrólitos (suas concentrações tendem a ficar desreguladas) e hemogasometria (todo paciente renal deve ter a hemogasometria como exame de rotina). Exames como: ultrassom, pressão arterial, bioquímicos (ureia, creatinina, fosforo), urina 1, relação proteína/creatinina urinaria, SDMA e avaliação de eletrólitos (sódio, potássio e bicarbonato) são importantes para avaliação da função renal e assim estadiar a doença renal (estagio 1, 2, 3, 4), determinando o prognóstico e evolução da doença renal.

O Tratamento das doenças do sistema urinário e da doença renal aguda ou crônica são determinados pelo profissional especializado, sempre visando correção hídrica, eletrolítica, funcional e nutricional que ocorrem em casos de pacientes com essas doenças. Dentre os tratamentos temos fluidoterapia, reposição dos eletrólitos, correções cirúrgicas (ex: cistotomia, uretrostomia, ureterostomia, by-pass-sub, diálise peritoneal, hemodiálise etc).

É importante saber que a medicina preventiva sempre será a melhor conduta para diagnosticar o mais precoce possível qualquer doença, melhorando assim o prognóstico e a qualidade de vida dos nossos pacientes.